Sou a rainha das listas

Sou a rainha das listas. Faço lista de compras, contas a pagar, o que vou levar na mala em uma viagem próxima…. Estou sempre planejando algo. Um evento, a próxima festa de aniversário do Gael, ou um novo projeto que eu acredito que tenha potencial para transformar a vida das pessoas. Mas o fato de eu ser extremamente planejadora não quer dizer que eu seja organizada. Perco as listas que escrevi, estou sempre comprando um novo caderno para o trabalho pois deixei o último no ônibus ou em uma loja que entrei. Parece que é demais para o meu cérebro ter que pensar em tanta coisa, fazer planos A, B, e C para situações reais e hipotéticas, e ainda ter que saber onde está a chave, os óculos-escuros ou a minha carteira.

Acredito em astrologia e como toda boa taurina sou comilona, teimosa, ciumenta e com o coração mole. A comilança tento controlar tomando suquinhos detox e evitando o glúten (nem sempre é possível, rs). A teimosia e o ciúme são um exercício diário de autocontrole. Mas o coração mole Ahhhh, esse coração mole! Posso estar com raiva de alguém que é só a pessoa me contar o lado dela da história que a raiva já passa, e ainda viro defensora. Possuo empatia nível hard mesmo! Minha terapeuta, inclusive, vive dizendo que eu tenho que parar de ser esponja e parar, principalmente, de tentar resolver o problema dos outros (Estou trabalhando nisso, rs).

Fui criada por uma família que tem muito mais mulheres do que homens, e todas elas são pessoas extremamente fortes. Acredito que, com isso ,meu empoderamento feminino veio de berço, pois elas sempre me ensinaram que meu lugar era onde eu quisesse, podendo ser uma biblioteca, uma igreja ou um bar. Não fazia diferença. Obrigada, Familia Marques!

Não tem como falar de quem eu sou sem falar de uma passagem extremamente transformadora que foi a chegada do Gael. Ele me tirou a urgência da vida, me tirou uma busca incessante por uma mudança que eu nem sabia qual era. Isso porque, provavelmente, ele era a mudança de que eu necessitava. E me fez uma pessoa muito mais paciente também. Acho que essas mudanças ocorreram porque eu amo tanto, tanto, aquele bichinho e quero tanto que ele seja um cara muito bacana, que não tinha outra saída a não ser buscar o melhor que eu tinha dentro de mim para poder entregar a ele.

Ah!!! Foi com a maternidade também que eu me transformei na moça que faz yoga, meditação e tratamento com florais (porque também não é tão fácil como parece, rs). Isso porque eu entrei em uma onda muito doida de ser A MÃE MAIS PERFEITA DO MUNDO INTEIRO! E isso me tirou completamente do eixo. Aí comecei uma busca por autoconhecimento e paz interior que me levou por este caminho. E hoje, depois que isso passou, vivo na vibe de um pagode dos anos 90 que diz: Deixa acontecer NA-TU-RAL-MENTE!!

Tem dia que tudo sai perfeito. Faço almoço, brinco com o Gael, arrumo a casa, arrumo a mochila da escola, cato os brinquedos do chão, dou banho nele e saímos os dois dez minutos adiantados, eu com o cabelo molhado e nós dois “cantarolantes” e felizes. E tem dia o que? Que ele almoça o que sobrou de ontem, dou um banho de um minuto nele, faço um coque no emaranhado que está o meu cabelo, monto a mochilinha da escola com roupas que não estão passadas e saímos atrasados. É assim, rs. Deixei acontecer naturalmente! Se eu tivesse forçado para tudo sair perfeito, teria me estressado e estressado meu bichinho. De verdade, acho que a sabedoria deste pagode é para ser levada a todo momento, rs. Deixar as coisas seguirem o seu fluxo é a melhor forma de enfrentar as adversidades da vida. Agora, isso tudo que eu falei aí não quer dizer que eu seja uma pessoa extremamente equilibrada (Deus me livre, inclusive!), mas sim que acredito muito na transformação que essa eterna busca pelo equilíbrio nos traz.

Prazer, Dayanna 😉

7 Comentários

  1. Marcia

    Parabéns a Natali pela iniciativa! Amei!!! Adoro essas minhas meninas que não são sérias demais, são nada recatadas, nem do lar…quer dizer, do lar são sim, porque aonde estiverem alí estará uma grande familia! Bjs Day!!!parabéns pelo texto!

    • Dayanna

      Delicia de comentário. Obrigada, tia. Saiba que quem sou vem muito de eu ter tido o privilegio de ser uma das suas meninas. te amo

  2. Marcia

    Essas minhas meninas, é a forma como me refiro as minhas filhas e as amigas delas que estão pra sempre no meu coraçao!

  3. Marciel Pires

    Que texto sútil de uma mãe que reflete a contemporaneidade de quem não deseja mais ficar somente entre a maternidade e a vassoura.
    Um panorama do desejo da mulher em mostrar que ela já está em algum lugar nesta sociedade sexista. E que este lugar já possui dono.
    Empoderamento natural de pontas que foram amarradas ainda na infância desta persona (Dayanna), que de nada comunga com os arquétipos tradicionais da “super” mulher oprimida, do lar, submissa.
    O lugar é do lado, e em um lar onde os aventais são divididos. O resultado (Gael), entende o verdadeiro lugar de sua mãe, e principalmente da mulher na sociedade em que estará vislumbrando na fase adulta, onde provavelmente reproduzirá a relação harmoniosa que seus pais lhe ensiam desde jovem, está forma harmionsa, é crucial da formação de sua personalidade e valores. Criar homens perceptíveis do seu papel na sociedade, sobre tudo, a igualdade de todos os direitos é fundamental para a mudança de comportamentos retrógrado, expedida nos dias atuais.
    Texto pertiente em tempo de proliferação de ódio e desinformação.

    Um grande abraço a essa mulher, essa família.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *